Mulher com insônia na cama e com a mão no ouvido - distúrbios do sono e zumbido

Distúrbios do sono podem estar relacionados com o zumbido no ouvido, mas essa relação deve ser avaliada caso a caso. Existem diversos fatores que podem influenciar a qualidade do sono, e o zumbido é apenas um deles.

O zumbido no ouvido se apresenta de diversas formas. Os pacientes costumam relatá-lo como um som semelhante a uma cachoeira, um chiado, uma cigarra, um assobio ou uma panela de pressão, por exemplo, entre várias outras comparações.

Como o ruído fica mais evidente no silêncio, é natural que o paciente se incomode mais com o sintoma durante a noite. Muitos deles percebem o zumbido pela primeira vez nesse momento, inclusive.

Por outro lado, há também aqueles que relatam que o seu zumbido piora quando dormem mal, o que pode estar ligado à fadiga e ao estresse observados quando não dormimos o suficiente ou com a qualidade desejável.

Neste artigo, discuto essas relações e trago respostas para algumas dúvidas comuns sobre o assunto. Continue a leitura para conferir!

Conteúdo:

Quem tem zumbido tem insônia?

Não necessariamente, a começar pelo fato de que muitos pacientes com zumbido no ouvido não se incomodam com ele. Porém, uma parcela dos pacientes com o sintoma pode sim ter dificuldades para adormecer ou acordar mais ansioso ou irritado por isso. 

É importante ressaltar que, muitas vezes, o indivíduo já apresentava problemas com o sono antes do zumbido, devido à ansiedade ou apneia do sono, por exemplo, ou já tem vários outros motivos que justificam a sua insônia, como hábitos ruins antes de se deitar.

As queixas sobre o sono são mais frequentes quando o zumbido é recente, momento em que o paciente está muito incomodado com o ruído e tem muita preocupação com as suas implicações.

Precisamos, portanto, avaliar o quadro com cautela e de maneira ampla, até porque ambos os problemas, zumbido e insônia, estão relacionados com irritabilidade, cansaço, desgaste emocional e transtornos do humor.

Por que o zumbido piora à noite?

Muitos pacientes se queixam que o seu zumbido aumenta durante a noite, mas em quase todos os casos isso é apenas uma percepção. O ruído não se intensifica, mas se destaca nesse momento, pois há menos sons competindo com ele no ambiente.

Independentemente do horário, o zumbido será sempre mais perceptível em locais silenciosos e não é incomum que pessoas com o sintoma os evitem. Um hábito comum dos pacientes é manter aparelhos ligados, como TV, ventilador ou dispositivos de áudio, para mascarar o ruído.

Quando o zumbido é um incômodo importante, ele, de fato, pode dificultar o sono, especialmente o adormecer. Além disso, o desgaste provocado pela insônia se soma à perturbação e à ansiedade causada pelo zumbido, podendo afetar significativamente a qualidade de vida do indivíduo.

Como o zumbido no ouvido afeta o sono?

Sabemos, hoje, que pacientes com zumbido no ouvido apresentam uma atividade aumentada em determinadas regiões do cérebro relacionadas à audição, mas ainda não sabemos exatamente se essas alterações influenciam a qualidade do sono.

Existem estimativas que apontam que pessoas com zumbido no ouvido experimentam distúrbios do sono e terrores noturnos com maior frequência, e algumas pesquisas sugerem que isso pode ser explicado pelas alterações cerebrais observadas em pacientes com o sintoma. Entretanto, ainda são necessários mais estudos para confirmar essa relação.

O que podemos afirmar, e que constatamos frequentemente no acompanhamento de pessoas com o sintoma, é que o barulho no ouvido pode causar incômodo e perturbação, causando irritabilidade em parte dos pacientes, e é essa resposta emocional dada ao zumbido que interfere na qualidade do seu sono.

Sabemos também que o cansaço, o estresse e a ansiedade contribuem para uma percepção piorada do zumbido, fazendo com que o paciente entre num ciclo prejudicial marcado pela insônia durante a noite e a sensação de piora do zumbido durante o dia.

O que fazer na hora de dormir para diminuir o zumbido no ouvido?

Para facilitar o adormecer e aumentar a qualidade do sono, é recomendável não ingerir alimentos e bebidas estimulantes, como café e energéticos, e evitar telas na hora de dormir, como a da TV, do computador e principalmente do celular, pois já é comprovado que a luz emitida por elas desperta e estimula o nosso cérebro, tornando mais difícil pegar no sono. Além disso, é importante criar uma rotina antes de dormir para que o seu corpo entenda que está próximo do horário de adormecer.

Para atuar diretamente no zumbido, temos a terapia sonora, que consiste em usar estímulos sonoros neutros — agradáveis ao paciente e mais baixos que o som do zumbido — para reduzir a percepção do sintoma em ambientes silenciosos.

Muitas pessoas fazem isso por conta própria, usando áudios da internet, por exemplo, mas o mais indicado é contar com a orientação e a supervisão de otorrinolaringologistas e fonoaudiólogos especializados para realizar o tratamento corretamente e receber orientações sobre medidas adicionais para se obter a melhora esperada.

Mascarar o zumbido — simplesmente colocar um som mais alto que o volume do ruído — só lhe trará uma solução temporária para o problema, e ao retirar o som que o sobrepõe, a sua percepção pode ser ainda mais evidente e incômoda.

Como melhorar o zumbido no ouvido?

Independentemente da causa e das características do zumbido, sempre recomendamos aos pacientes adotarem um estilo de vida saudável. Isto é, se alimentar adequadamente, praticar atividades físicas regularmente e manter uma rotina (acordando e dormindo nos mesmos horários, por exemplo).

Cuidar da saúde mental é também muito importante — adotando medidas de controle para estresse e ansiedade, por exemplo —, pois, como dito, o estado emocional pode influenciar diretamente a percepção de piora do zumbido (fazendo-o parecer mais perturbador do que realmente é). 

O acompanhamento terapêutico e psiquiátrico é indicado na maioria dos quadros, e práticas de relaxamento, como Yoga e meditação, são também bem-vindas. Além disso, também é recomendável incluir na sua rotina atividades que você goste, que te tragam sensação de bem estar e descanso.

Todas essas medidas contribuem para a melhora dos distúrbios do sono e do zumbido, estejam eles relacionados ou não. O mais importante, porém, é esclarecer o seu quadro e adotar as melhores ações disponíveis. 

Existem recursos e tratamentos para todos os tipos de zumbido no ouvido, portanto, não deixe de consultar um otorrinolaringologista ou um otoneurologista (o otorrino especializado em zumbido)!

 

Sobre a Dra Nathália:

Já segue a Dra. Nathália no Instagram? Acompanhe as postagens e dicas da Dra. sobre tontura e zumbido:  

Agende uma consulta agora! A Dra Nathália está disponível para teleconsultas ou consultas presenciais em São Paulo: