exame de audiometria - exame para labirintite

Não existe um exame específico capaz de diagnosticar a Labirintite ou qualquer outra causa de tontura. Os exames são apenas um componente do diagnóstico, que também depende da avaliação médica e, principalmente, do relato do paciente. Não são raros os casos de doenças vestibulares em pessoas com exames normais.

A Labirintite é uma condição médica que afeta o ouvido interno, especificamente o labirinto, estrutura responsável pelo nosso equilíbrio e pela nossa audição.

É um quadro infeccioso caracterizado por sintomas como tontura, vertigem, náusea, perda de equilíbrio e sintomas auditivos como perda de audição e zumbido no ouvido. Vários outros diagnósticos, porém, trazem tais sintomas, tornando a investigação muitas vezes desafiadora. 

Além disso, os exames laboratoriais e de imagem na maior parte dos casos, de forma isolada, não são capazes de determinar se há ou se houve Labirintite. Por isso, o histórico de saúde do paciente, bem como seu relato na consulta, são fundamentais para o diagnóstico.

Ainda assim, os exames são ferramentas importantes para entendermos o quadro do paciente com detalhes e também para descartarmos possibilidades. Nos tópicos, a seguir, tiro algumas dúvidas frequentes sobre os exames usados no diagnóstico da Labirintite. Confira! 

Conteúdo:

Quais são os exames realizados para saber se tem Labirintite?

Considerando que as doenças do sistema vestibular — como a Labirintite — costumam provocar sintomas muitos parecidos, os exames para o seu diagnóstico buscam, mais do que identificar a causa principal, excluir outras possibilidades e fatores associados.

Recomendado para você:  Risco de queda em idosos: fatores relacionados e medidas de prevenção

Isso é muito importante, pois sintomas como tontura, vertigem, zumbido e perda auditiva estão presentes em uma grande variedade de quadros de saúde.

Audiometria

Inicialmente, a audiometria é essencial não apenas para avaliar se há perda auditiva de maneira geral, bem como para comparar a audição dos dois ouvidos, tendo em vista que a Labirintite tende frequentemente a acometer a audição de um único ouvido. 

Imitanciometria

Outro exame muito utilizado é a imitanciometria (ou impedanciometria), que fornece informações específicas sobre o ouvido médio e a tuba auditiva, sendo útil para esclarecer a possibilidade de secreção na orelha média, que pode levar a uma Labirintite.

Exames de sangue

Exames de sangue podem nos ajudar, por exemplo, para avaliar a presença de uma infecção que pode nos sinalizar a Labirintite.

Vectoeletronistagmografia (VENG) ou Videonistagmografia (VNG)

A VENG e a VNG são exames de destaque na avaliação de estruturas neurológicas envolvidas no equilíbrio e na avaliação de parte do labirinto que é responsável pelo nosso equilíbrio. 

Durante o exame, eletrodos (no caso da VENG) ou uma câmera (no caso da VNG) registram os movimentos oculares do paciente em resposta a estímulos visuais e vestibulares, como a perseguição de um alvo móvel e estimulação térmica do labirinto. 

Por sua abrangência, esses exames são capazes de identificar uma série de anormalidades vestibulares que podem estar associadas à Labirintite, como nistagmo espontâneo e assimetria entre os dois lados do labirinto.

Os exames dizem tudo o que preciso? 

Embora os exames sejam importantes — afinal, eles fornecem dados sobre as condições do sistema vestibular e do aparelho auditivo do paciente —, eles dificilmente serão suficientes, de forma isolada, para determinar a causa de uma tontura. 

Recomendado para você:  Tontura na menopausa: entenda o que é, porque acontece, como cuidar e quando consultar um médico

Como dito, o diagnóstico depende principalmente do que o paciente relata ao médico durante a consulta, junto à avaliação médica e os dados coletados em seus exames e no seu histórico de saúde.

Por isso, é tão importante ser preciso e detalhista durante a consulta médica. Observe a sua tontura, como ela se apresenta, quando se apresenta, se há gatilhos envolvidos, se há outros sintomas que surgem durante as crises ou que passaram a acontecer no mesmo período. Toda informação é valiosa no diagnóstico.

Tenho tontura e meus exames são normais, o que fazer?

Frequentemente recebo pacientes que sofrem com tontura e que já realizaram diversos exames, todos eles aparentemente normais. Nesses casos, é ainda mais recomendável a orientação de um médico especialista, que se tratando de tontura e Labirintite, é o otoneurologista, o otorrino dedicado às doenças causadoras de tontura e zumbido no ouvido.

Assim como outros quadros infecciosos, o tratamento da Labirintite consiste basicamente em repouso, hidratação e medicamentos para alívio dos sintomas, além do tratamento da causa base, e intervenções posteriores em caso de sequelas. Entretanto, isso só vale se o seu caso for mesmo Labirintite.

Existem diversas outras doenças que também trazem a tontura como sintoma principal, e para cada uma delas há um conjunto de medidas e tratamentos específicos. 

Agora você sabe que existem exames para Labirintite, mas que eles são apenas um das ferramentas utilizadas no diagnóstico desta doença. O que você não pode esquecer é que, em todos os casos, o tratamento deve ser personalizado, indicado e supervisionado por um médico.

Quer saber mais sobre os recursos e tratamentos usados na Labirintite e em outras doenças que causam tontura? Então continue no blog e confira o artigo: Remédios para Labirintite: os principais tipos e quando utilizá-los!

Recomendado para você:  Dor de cabeça e tontura: médica especialista em Enxaqueca Vestibular em São Paulo

 


Sobre Dra Nathália Prudencio

Dra Nathália Prudencio é médica otoneurologista, especialista em tontura e zumbido. Saiba mais
Você confere orientações e dicas sobre esse e outros assuntos aqui no blog e também no Facebook, no Instagram e no YouTube.
A Dra Nathália está disponível para teleconsultas e consultas presenciais em São Paulo. Agende uma consulta pelo Doctoralia ou pelo WhatsApp!