sensação de ouvido entupido e zumbido - Dra Nathalia Prudencio

A sensação de ouvido entupido (plenitude auricular) associada ao zumbido e outros tipos de acufenos (percepção de som sem estímulos externos) pode ser causada por um série de condições ou doenças, como cerume impactado, otites (infecções ou inflamações do ouvido) e labirintopatias.

Alterações na percepção e na experiência auditiva, como o zumbido, são relativamente comuns e podem estar associadas a uma grande variedade de desordens e doenças que devem ser investigadas pelo médico otorrinolaringologista.

Embora infecções e perda auditiva sejam preocupações recorrentes, esses sintomas também podem estar associados a fatores emocionais, como estresse e ansiedade, bem como desordens funcionais, como o bruxismo. Nesses casos, o tratamento pode exigir a assistência de outros profissionais da saúde, como psicólogos, dentistas e fisioterapeutas.

Continue a leitura para entender melhor o assunto, saber quando é necessário procurar ajuda médica e qual médico procurar nessa situação.

Conteúdo:

Se preferir, você pode conferir as informações deste conteúdo no vídeo a seguir.

Como é sentir o ouvido “entupido” e o zumbido?

A sensação de ouvido entupido é chamada de plenitude auricular. O paciente sente que há um bloqueio no ouvido, tornando os sons abafados, mesmo quando não há nenhuma barreira física no ouvido interno.

O sintoma pode surgir isoladamente, mas é frequentemente acompanhado de vertigem, náuseas, dores de cabeça e acufenos. É também uma sensação típica em gripes e resfriados, uma vez que, ao espirrar ou assoar o nariz, a secreção pode ser desviada para o canal auditivo.

O zumbido, por sua vez, é relatado de diversas maneiras, sendo muito comuns as queixas por sons de cigarras, cachoeiras, panelas de pressão, apito e aparelhos elétricos. Todos eles são caracterizados como ruídos “fantasmas” devido à ausência de estímulos externos.

O que pode causar a sensação de ouvido entupido e zumbido?

Mudanças de pressão, barreiras físicas, processos inflamatórios ou alterações na atividade das células do ouvido interno são, geralmente, as causas fisiológicas para a sensação de ouvido entupido e para o zumbido. Os sintomas podem ser provocados por um fator isolado ou por vários deles, somados ou em ciclos.

O pleno funcionamento da audição depende de diversos componentes do ouvido interno, como os ossículos, a cóclea e os neurônios do sistema auditivo. As inúmeras células nervosas presentes na região são estimuladas pela vibração dos ossículos (martelo, bigorna e estribo), que transformam os estímulos mecânicos em estímulos elétricos. 

Qualquer alteração física, funcional, metabólica ou hormonal capaz de interferir na captura ou na interpretação desses sinais pode gerar disfunções auditivas, como a sensação de ouvido entupido ou tapado e o zumbido, assim como quadros de náuseas, tontura e dores de cabeça, isolados ou em conjunto.

É importante frisar que a maioria dos casos de zumbido permanente está associada a algum grau de perda auditiva, mesmo que leve. Não está totalmente claro a maneira como esse processo ocorre e se determinados grupos são mais suscetíveis ou não. 

Acredita-se, porém, que células do ouvido interno trabalhem excessivamente para compensar outras que foram mortas ou severamente agredidas por estímulos sonoros ou infecções. Além disso, áreas relacionadas à audição no cérebro passam a ficar hiperativas, indicando a existência de um componente neurológico no zumbido.

Quais são as principais doenças associadas a esses sintomas?

É preciso ressaltar que a sensação de ouvido entupido e o zumbido são sintomas, não doenças ou síndromes em si. Somente uma avaliação médica minuciosa pode estabelecer, com segurança, a causa desses incômodos.

Existe um grande leque de possibilidades relacionadas a essas queixas, como infecções comuns (resfriados e otites, por exemplo), transtornos do labirinto (como enxaqueca vestibular e labirintite) e quadros mais raros, como a Doença de Ménière.

Desordens funcionais, como o bruxismo (ranger ou apertar os dentes) e a DTM (disfunção temporomandibular), também podem estar associadas. Nesses casos, o paciente costuma notar mudanças na percepção da audição e do zumbido quando aperta os dentes ou movimenta a mandíbula.

Fatores emocionais (como fadiga, estresse e ansiedade) podem interferir no aparecimento ou na piora dos sintomas, assim como o consumo excessivo de cafeína, açúcar e gordura.

Nem sempre, porém, o quadro está relacionado a desordens e doenças. O cerume acumulado pode criar rolhas capazes de afetar a percepção sonora. Além disso, variações de pressão atmosférica afetam o ouvido médio — como o pouso em viagens de avião ou visitas a regiões de altitude diferente da qual estamos habituados.

Quando devo procurar ajuda médica?

Quando provocados por fatores ambientais, os sintomas tendem a diminuir ou desaparecer naturalmente. 

Alguma melhora pode ser percebida logo nas primeiras horas após a suspensão do alimento causador do problema, mas é recomendável reduzir o consumo por alguns dias para confirmar a correlação.

Em casos de obstrução ou variação de pressão, engolir saliva, beber algum líquido ou bocejar pode ajudar. A movimentação dos músculos da face faz com que o ar circule melhor no canal do ouvido, chamado de tuba auditiva, facilitando a liberação de fluidos e equilibrando a pressão.

Quando os sintomas são frequentes ou contínuos, porém, é fundamental procurar ajuda médica. Quanto antes o paciente recebe o diagnóstico, mais rápido ele inicia o tratamento adequado e menores são as chances de quadros permanentes. 

É necessária maior atenção quando a sensação de ouvido entupido e o zumbido são acompanhados de sintomas mais graves, como febre, secreção de pus, dores de cabeça e na face, perda de audição e tontura. Nesses casos, recomenda-se procurar atendimento médico imediatamente.

Qual profissional de saúde devo consultar primeiro?

Embora o vasto leque de causas relacionadas a esses sintomas envolva competências de diferentes profissionais da saúde, o primeiro especialista que deve ser consultado é o médico otorrinolaringologista (ou o otoneurologista, que é o otorrinolaringologista especialista em tontura e zumbido).

Caso se dirija a um posto de saúde ou unidade de pronto atendimento, o paciente pode ser avaliado inicialmente por um clínico geral que, diante dos sintomas, deverá encaminhá-lo para um especialista.

A otorrinolaringologia é a divisão das ciências médicas dedicada ao diagnóstico e ao tratamento das disfunções e doenças do ouvido, do nariz, dos seios da face e da garganta. É, portanto, a área mais competente para investigação dos sintomas em questão.

Vale destacar, porém, que essas percepções sonoras, em especial o zumbido, ainda apresentam características desconhecidas por boa parte da comunidade médica. Novas explicações e opções de tratamento estão sendo pesquisadas, especialmente para quadros permanentes — geralmente atrelados à perda auditiva.

Sendo assim, consultar um médico otoneurologista pode garantir uma avaliação mais clara e precisa do quadro.

Caso o diagnóstico aponte a correlação dos sintomas com outras competências da saúde, é o otorrinolaringologista que deve encaminhar o paciente para outros profissionais.

Sensação de ouvido entupido e o zumbido são queixas comuns entre indivíduos de todas as idades, embora pareçam mais frequentes em pacientes idosos. O que você deve ter em mente é que não é possível definir as causas do problema apenas por esses sintomas. Somente uma avaliação médica pode estabelecer um diagnóstico e definir um tratamento específico para cada caso.

Se os sintomas podem ser gerados ou agravados por fatores emocionais, já pensou no impacto que a COVID-19 pode ter gerado na saúde auditiva da população? Continue por aqui e confira 5 fatores que podem estar ligados à piora do zumbido durante a pandemia!

 

Sobre a Dra Nathália:

Já segue a Dra Nathália no Instagram? Acompanhe as postagens e dicas da Dra sobre tontura e zumbido  

Agende uma consulta agora! A Dra Nathália está disponível para Teleconsultas ou consultas presenciais em São Paulo