A relação entre tontura e ansiedade é frequente no relato de pacientes, mas não podemos afirmar que a ansiedade é a causa única de um quadro persistente de tontura. Na maioria dos casos, episódios de estresse ou ansiedade agravam ou funcionam como gatilho para disfunções ou doenças que não foram diagnosticadas.

Doutora, ansiedade pode causar tontura? Será que a minha tontura é emocional? Será que existe uma “labirintite emocional”?

Não há dúvidas de que vivemos em tempos de maior demanda emocional. Temas como ansiedade e estresse estão em alta nas discussões acadêmicas, assim como na mídia, na internet e nas conversas do dia a dia.

As emoções são também uma expressão da nossa fisiologia e já sabemos que a sobrecarga no trabalho, nos estudos e nas relações, por exemplo, pode gerar efeitos diversos na saúde.

Entretanto, é preciso cautela ao fazer tais relações para não cairmos na armadilha de acreditar que tudo se resume a uma questão emocional. Na maioria das vezes, existem vários outros fatores relacionados, inclusive doenças não diagnosticadas e que necessitam de tratamento.

Isso é ainda mais grave quando tratamos de sintomas como a tontura, cujas causas são muito variadas e nem sempre há exames capazes de definir um diagnóstico.

Neste artigo, quero esclarecer a famosa relação entre ansiedade e tontura, além de reforçar a importância de procurar um médico especialista.

Conteúdo:

Afinal, ansiedade pode causar tontura?

Embora a relação entre tontura e ansiedade seja muito comum, não podemos afirmar que quadros de tontura frequente ou contínua são desencadeados unicamente por fatores emocionais.

O que sabemos é que o estresse crônico, a maior demanda emocional e a ansiedade podem funcionar como gatilhos ou piorar a percepção do sintoma, principalmente em doenças crônicas causadoras de tontura, como a TPPP (Vertigem Fóbica), a Enxaqueca Vestibular e a Doença de Ménière

Por outro lado, vale destacar que a tontura sim pode gerar ansiedade, especialmente no início do quadro, devido ao seu caráter imprevisível. 

Exames normais significam que a tontura é emocional?

É típico pacientes procurarem causas “físicas” para um sintoma por meio de exames e, quando não encontradas, darem como certa a causa emocional.

A questão é que sintomas como a tontura não contam com exames específicos capazes de identificar com precisão o seu motivo. Em muitos casos, eles nem sequer são necessários.

Isso significa que o fato de os seus exames estarem normais não quer dizer que não há alterações ou doenças importantes relacionadas ao equilíbrio.

 Especialmente na otoneurologia, que é a área dedicada às disfunções e doenças causadores de tontura e zumbido, o mais importante para o diagnóstico é a história que o paciente conta na consulta.

Assumir um diagnóstico sem realizar uma investigação adequada da sua tontura pode prolongar desnecessariamente um problema capaz de impactar significativamente a sua qualidade de vida. Além disso, alguns quadros, como a Doença de Ménière, podem evoluir com maior rapidez na ausência de tratamento. É imprescindível, portanto, consultar um médico!

O que a ansiedade pode fazer com o nosso corpo?

A ansiedade é um estado emocional caracterizado por uma preocupação excessiva, medo ou tensão intensa em relação a eventos futuros ou situações incertas. É uma resposta natural do organismo diante de algo que consideramos uma ameaça, mas que pode interferir significativamente na vida de um indivíduo quando se torna crônica.

As alterações que observamos durante uma crise de ansiedade, como inquietação, apreensão, palpitação e respiração acelerada, são decorrentes de uma grande liberação de adrenalina no organismo. 

Em alguns casos, o aumento da frequência cardíaca e a hiperventilação podem diminuir o fluxo sanguíneo no cérebro e provocar tonturas ou sensação de atordoamento durante a crise. 

Quando o sintoma é persistente, porém, é provável que exista alguma anormalidade no sistema vestibular ― responsável por regular o nosso equilíbrio, a nossa coordenação e a nossa orientação espacial ―, ou problemas hormonais e metabólicos associados.

Quando e qual médico devo procurar?

A tontura e a ansiedade devem ser investigadas, mesmo quando se apresentam de forma leve. Ainda que sejam queixas muito comuns, precisamos entender as suas causas e não normalizar problemas que podem afetar significativamente a nossa vida.

Sempre que temos a tontura envolvida, o primeiro profissional da saúde a ser consultado é o médico otorrinolaringologista. Você também pode optar pelo otoneurologista, que é o otorrino especialista em tontura e zumbido, para obter um diagnóstico mais aprofundado.

Na maioria dos quadros, descobrimos vários fatores associados e, por isso, a estratégia de tratamento adotada pode englobar diferentes áreas da saúde, como fonoaudiologia, odontologia e psiquiatria.

Podemos concluir, portanto, que existe uma relação entre tontura e ansiedade, mas cada caso deve ser devidamente investigado por um especialista. Comumente, o fator emocional é um gatilho ou agravante de um problema de saúde ainda não identificado e, por isso, o diagnóstico correto é fundamental para orientar o tratamento mais adequado.

Este artigo fica por aqui. Para complementar, deixo, abaixo, um vídeo onde falo sobre diferentes tipos de tontura e suas principais causas. Não deixe de conferir!

 

Sobre a Dra Nathália:

Já segue a Dra. Nathália no Instagram? Acompanhe as postagens e dicas da Dra. sobre tontura e zumbido:  

Agende uma consulta agora! A Dra Nathália está disponível para teleconsultas ou consultas presenciais em São Paulo: