homem com zumbido em um ouvido - zumbido em um ouvido só o que pode ser

O zumbido pode ser unilateral ou bilateral, e se apresentar em igual ou diferente intensidade em cada ouvido. Quando presente em apenas um dos ouvidos, investigamos infecções e doenças crônicas em que esse padrão é observado, mas a perda auditiva pode se apresentar em níveis diferentes em cada lado.

O zumbido no ouvido é a percepção de um som na ausência de qualquer fonte sonora externa. Essa condição pode se manifestar de diversas formas, variando desde um som leve até percepções mais intensas e perturbadoras, afetando um ouvido ou ambos. 

É comum encontrar supostas “receitas milagrosas” para o tratamento desse sintoma, que prometem soluções rápidas e eficazes, mas que não têm base científica e podem até mesmo piorar o quadro ou gerar problemas adicionais.

O mais indicado sempre é buscar atendimento médico para realizar uma avaliação completa e estabelecer um plano de tratamento adequado e que seja seguro e eficaz, levando em consideração as causas subjacentes e as necessidades individuais de cada paciente.

Quer entender melhor o que é zumbido unilateral e bilateral? Então vem comigo!

Conteúdo:

O que pode ser zumbido no ouvido esquerdo ou direito?

Como comentamos, o zumbido no ouvido é a percepção de um som, sem uma fonte sonora externa, que pode se manifestar em um só ouvido (unilateral) ou em ambos (bilateral).

É fundamental, porém, que o paciente seja avaliado, pois é possível que o sintoma esteja presente em ambos os ouvidos, mas em níveis diferentes, sendo evidente apenas de um lado.

De maneira geral, o zumbido pode ser causado por uma variedade de fatores, como:

  • perda auditiva (causada por doenças que acometem o ouvido, como a Otosclerose ou exposição a ruídos altos);
  • problemas musculares ou articulares (como Disfunção Temporomandibular);
  • tumores (em estruturas do cérebro e nas vias nervosas relacionadas à audição);
  • alterações metabólicas (como hipotireoidismo e diabetes);
  • medicamentos.

Quando constatado o zumbido unilateral, devemos avaliar disfunções e doenças que frequentemente acometem apenas um ou de maneira mais severa um dos ouvidos, o que inclui quadros crônicos, como a Doença de Ménière.

É importante destacar que o zumbido pode variar em intensidade e características de uma pessoa para outra. 

Como é o seu zumbido?

O zumbido pode se manifestar em um ou nos dois ouvidos — sendo notado por muitos pacientes como um som na cabeça — e sua frequência pode variar (zumbido contínuo ou intermitente), bem como a sua intensidade ou volume (que pode ser único ou flutuar ao longo do tempo).

Em determinados quadros, o zumbido pode se apresentar como um som de pulsação. Na maioria dos casos, porém, ele se manifesta como um ruído semelhante a um inseto, um chiado, água corrente, motor, panela de pressão, entre outras descrições.

Quanto mais amplo for o relato do paciente, mais fácil é compreender e descobrir as causas que desencadearam o sintoma, assim como fatores associados.

Existem outros sintomas associados?

É comum que o paciente apresente outros sintomas associados ao zumbido, que são pistas importantes para descobrir suas causas subjacentes e estabelecer o diagnóstico, a fim de definir o tratamento mais adequado.

Merecem atenção sintomas adicionais como dificuldade de ouvir, sensação de ouvido tapado, dor de cabeça, tontura, febre, dor no ouvido, secreção, entre outros. O zumbido também pode desencadear ou agravar transtornos de humor, como ansiedade e estresse, além de distúrbios influenciados por esses fatores, como a insônia.

Uma característica muito comum em pacientes com zumbido é a chamada hiperacusia, que é a intolerância a sons com intensidade moderada — que não são incômodos para a maioria das pessoas saudáveis.

Como acabar com o zumbido?

É importante compreender que a remissão completa do zumbido nem sempre é possível, especialmente quando há perda auditiva associada. No entanto, existem tratamentos e recursos disponíveis para ajudar a gerenciar o sintoma e melhorar a qualidade de vida de todos os pacientes.

A primeira etapa — e a mais importante — é buscar a avaliação de um otorrinolaringologista, preferencialmente um otoneurologista, que é o médico mais qualificado para diagnosticar e tratar problemas relacionados ao zumbido. 

Nas consultas, fazemos uma avaliação completa para determinar as causas subjacentes do zumbido e solicitamos exames, quando necessário. A partir daí, desenvolvemos uma abordagem personalizada e, muitas vezes, multidisciplinar.

Os recursos utilizados variam de acordo com o diagnóstico de cada paciente. Entre os principais deles, temos a terapia sonora (especialmente útil para pacientes com insônia associada), o uso de aparelhos auditivos (quando há perda auditiva associada), medicação, fisioterapia e, mais raramente, procedimentos cirúrgicos. 

Em muitos casos, o tratamento também pode envolver acompanhamento terapêutico e psiquiátrico, com o objetivo de ajudar o paciente a entender e a lidar melhor com o estresse e a ansiedade associados ao sintoma. 

Medicamentos podem ser utilizados para tratar demais condições relacionadas, como a ansiedade e a insônia. No entanto, é importante ressaltar que não existe uma medicação específica para o tratamento do zumbido em si.

Sendo assim, se você sofre com zumbido em um ouvido ou em ambos, jamais se medique por conta própria, mesmo com substâncias ditas naturais. Essas intervenções podem não somente ser ineficazes, como também perigosas e prejudiciais. 

Quer entender melhor essa questão? Aproveite e confira também: Doutora, existe remédio para zumbido no ouvido?

 

Sobre a Dra Nathália:

Já segue a Dra. Nathália no Instagram? Acompanhe as postagens e dicas da Dra. sobre tontura e zumbido:  

Agende uma consulta agora! A Dra Nathália está disponível para teleconsultas ou consultas presenciais em São Paulo: