Muitas pessoas associam a ansiedade com o zumbido no ouvido, mas essa relação deve ser investigada por um médico. Fatores emocionais podem influenciar diretamente a experiência do paciente com zumbido, mas não são capazes, por si só, de desencadear o sintoma.

Você passou a perceber um zumbido no ouvido ou uma piora desse sintoma durante um momento de muito estresse ou ansiedade?

E quanto à você que já convive com o zumbido, sente que o sintoma contribui para o aumento da irritabilidade e do estresse?

Pois é. Quando discutimos a relação entre zumbido no ouvido e ansiedade, precisamos analisar a questão por esses dois ângulos: como a ansiedade afeta o zumbido e como o zumbido afeta a ansiedade.

Vamos conversar um pouco sobre isso?

Conteúdo:

Ansiedade pode causar zumbido no ouvido?

Essa relação é muito comum e pode sim nos dar algumas pistas sobre o quadro do paciente e, principalmente, sobre como ele se relaciona com o zumbido.

Sabemos, hoje, que apenas um, em cada dez pacientes, apresenta o zumbido como um incômodo importante. Nessas pessoas, o sintoma pode ser um fator determinante para o surgimento ou agravamento de transtornos do humor, como a ansiedade e a depressão.

Por outro lado, observamos também que períodos de maior estresse ou demanda emocional podem influenciar a maneira como o paciente vivencia o sintoma. Nesses momentos, as pessoas tendem a atribuir maior atenção ao som e aos seus impactos no dia a dia.

Não podemos afirmar, porém, que fatores emocionais, isoladamente, sejam capazes de desencadear esse quadro. Na maioria das vezes, há vários outros fatores envolvidos  e o fator emocional acaba funcionando como um gatilho para aparecimento do zumbido no ouvido no paciente, que já tinha outros motivos para tê-lo.

Quais são as principais causas do zumbido no ouvido?

O zumbido geralmente é causado por diferentes fatores associados. Entre eles, merece destaque a perda ou a lesão auditiva, que é detectada na maioria dos diagnósticos. Isso é válido até mesmo para pacientes com perda auditiva leve e com audiometria normal.

O zumbido também pode ser desencadeado por:

  • infecções;
  • transtornos do labirinto;
  • cerume impactado;
  • medicamentos;
  • alterações vasculares;
  • desordens funcionais.

Além dos desencadeadores, também precisamos levar em conta fatores capazes de agravar o quadro de zumbido do paciente, como consumo excessivo de álcool ou açúcar, alterações musculares ou vasculares na região do ouvido e, claro, as alterações emocionais, que são o foco deste artigo.

Como a ansiedade influencia o zumbido no ouvido?

Em determinados casos, o estresse e a ansiedade podem influenciar o zumbido de maneira indireta. 

Pacientes cujo zumbido está relacionado à disfunção da articulação temporomandibular (que controla o movimento de abrir e fechar a boca), por exemplo, podem experimentar uma piora do sintoma em momentos de tensão, pois esse estado pode gerar maior apertamento dentário e contraturas musculares próximas ao ouvido.

Pessoas com mordida errada, bruxismo ou que realizaram procedimentos dentários também podem apresentar zumbido no ouvido pelo mesmo motivo. 

Na maior parte dos casos, o que observamos é que os fatores emocionais influenciam diretamente a percepção do paciente sobre o zumbido e as características do zumbido em si, como o aumento da intensidade do som. Em muitos casos, o sintoma já existe há muito tempo, porém só é notado em um momento de maior tensão ou ansiedade.

Além disso, devemos ter em mente que um mesmo sintoma pode ser interpretado e vivenciado de maneiras completamente diferentes. Para alguns, o ruído pode ser entendido como algo inofensivo e pouco relevante, para outros pode ser um enorme tormento, mesmo quando suas características são muito semelhantes.

É, por isso, que quando vamos definir uma estratégia de tratamento para um paciente com zumbido, é muito mais importante entender a maneira como ele experimenta e vivencia esse sintoma e como isso impacta no seu humor, sono e atividades diárias, do que saber exatamente a frequência e a intensidade do ruído, por exemplo.

Como o zumbido no ouvido afeta o estado emocional do paciente?

Quando analisamos a relação entre zumbido no ouvido e ansiedade, o que mais nos preocupa são os impactos do sintoma na saúde mental do paciente e não o oposto.

Como dito, a maioria das pessoas que apresentam o zumbido tendem a se habituar ao sintoma e não o percebem como um incômodo importante. Para a minoria que sofre com a presença do som, porém, o zumbido pode afetar significativamente sua qualidade de vida.

Se comparamos um grupo de pessoas sem zumbido com um grupo de pessoas que têm o sintoma, observamos uma prevalência maior de transtornos de humor entre aqueles que apresentam o zumbido.

É, por isso, que o acompanhamento psiquiátrico e terapêutico é comumente indicado junto às demais ações de tratamento do zumbido.

Tendo essas informações em vista, algo que merece ser destacado é que a ausência de um diagnóstico e de um tratamento adequado pode contribuir para a ansiedade do paciente, aumentando sua atenção sobre o sintoma e contribuindo para um maior impacto do problema em sua vida. É fundamental, portanto, procurar um médico.

Por que é fundamental procurar um médico?

Não há dúvidas de que as emoções podem influenciar a nossa saúde e nosso bem-estar, mas é preciso ter cautela com essa correlação.

Na maioria das vezes, existem vários outros problemas por trás dos sintomas e a crença de que tudo não passa de um desequilíbrio emocional faz com que muitas pessoas negligenciem a investigação médica.

Falando especificamente do zumbido no ouvido, é fundamental consultar um otorrinolaringologista ou um otoneurologista (otorrino especialista em zumbido e tontura) para obter um diagnóstico confiável.

Saiba que existem tratamentos para todos os tipos de zumbido e é fundamental compreender o seu quadro para que as medidas necessárias sejam tomadas e o sintoma deixe de ser uma preocupação em sua vida.

Podemos concluir que há sim uma relação entre zumbido e ansiedade, mas não podemos afirmar que a ansiedade, isoladamente, é o fator desencadeador do sintoma. Se você sofre com o zumbido no ouvido, não deixe de buscar ajuda médica. 

Gostou do conteúdo e deseja conferir outras informações relacionadas a zumbido e tontura? Então continue de olho no blog e aproveite para acompanhar o meu trabalho também no Instagram e no YouTube!

 

Sobre a Dra Nathália:

Já segue a Dra. Nathália no Instagram? Acompanhe as postagens e dicas da Dra. sobre tontura e zumbido:  

Agende uma consulta agora! A Dra Nathália está disponível para teleconsultas ou consultas presenciais em São Paulo: